Objetivo Geral

Dar continuidade, na Faculdade Integrada de Santa Maria, ao processo de Avaliação Institucional como prática permanente e pressuposto de gestão e controle de qualidade, no sentido de garantir padrões de desempenho esperados pela sociedade, como também atender o estabelecido pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES, que possuí, como características fundamentais, a avaliação institucional como centro do processo avaliativo, a integração de diversos instrumentos com base em uma concepção global e o respeito à identidade e à diversidade institucional.

Objetivos Específicos

Incentivar um processo de autoavaliação da Instituição que garanta as reformulações necessárias à melhoria e à qualidade dos seus serviços, a consonância de suas atividades com as demandas científicas e sociais da atualidade e, também, o devido esclarecimento à sociedade.

Aprimorar o processo de autoavaliação, como também a sua periodicidade de realização, visando obter subsídios em prazos mais curtos para tomadas de decisão, conforme consta no PDI 2014-2018.

Integrar as diversas iniciativas de avaliação já existentes na FISMA, implantando um processo contínuo de autoavaliação.

Estabelecer compromissos com a sociedade, explicitando as diretrizes de um projeto pedagógico e os fundamentos de um programa sistemático e participativo de avaliação, que permita o constante reordenamento, consolidação e/ou reformulação das ações da Faculdade.

Diagnosticar a inter-relação das tarefas acadêmicas em suas dimensões de ensino, pesquisa, extensão e administração, colaborando na melhoria da qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão.

Contribuir na reformulação das práticas curriculares e no processo de integração de ensino, pesquisa e extensão.

Contribuir para a melhoria dos processos de gestão, eficiência nos gastos e redução dos desperdícios, otimização dos recursos existentes, adequação da estrutura organizacional e elevação da produtividade institucional nas áreas meio e fim.

Fornecer subsídios para que os avaliadores externos elaborem uma opinião, devidamente fundamentada, sobre as potencialidades da Faculdade, para consolidar os cursos superiores de graduação que já existem e os que poderão ainda ser criados.

Melhorar seus processos de gestão.

Instrumentar a FISMA nos processos de reconhecimento de seus cursos junto ao Ministério de Educação e também no processo de recredenciamento.